Publicidade

A democracia precisa ser semeada, cultivada e cuidada. Façamos!

  • em



Lula da Silva foi diplomado nessa segunda-feira (12/12), pelo Tribunal Superior Eleitoral, como o 36º presidente da República do Brasil. A solenidade reconheceu a lisura das eleições e a legitimidade da escolha de mais de 60 milhões de brasileiros e brasileiras. Mais que isso, a diplomação de Lula torna ainda mais próximo o início da reconstrução de um Brasil saqueado por forças que priorizaram interesses financeiros e ambições de poder, em detrimento da vida do povo.

 

 

A esperança está, mais que nunca, de volta. E é importante comemorarmos isso, ainda que os prejuízos e as crueldades somados nos últimos seis anos tenham gerado chagas sociais difíceis demais de serem curadas. Ao reconhecermos nossas vitórias, reconhecemos também as barbaridades que foram cometidas contra nós, para que elas jamais voltem a existir.

 

 

O clima é de festa. O discurso emocionado do presidente eleito Lula da Silva durante sua diplomação resume o drama vivido por nós, brasileiros e brasileiras, assim como a coragem e a ousadia de resistir. “Esse diploma não é do Lula presidente; é um diploma de uma parcela significava de um povo que reconquistou o direito de viver em democracia neste país”, disse o presidente eleito durante a diplomação. Mas não nos enganemos. A vitória obtida nas urnas breca o avanço disparado da barbárie, mas não o corta pela raiz.

 

 

A extrema direita que obteve lucros e privilégios durante os recentes anos que se passaram não desistirão facilmente. Ao contrário, a tendência é que afinem suas ações criminosas, reivindicando a elas caráter de normalidade legal.

 

 

O cenário não cabe apenas ao Brasil. O ataque à democracia e, consequentemente, à possibilidade de igualdade social, é internacional. Na América Latina, Chile, Argentina e Peru, por exemplo, comprovam isso. Seja pela exigência de uma Constituição escrita com o aval de ditadores, com a condenação de lideranças de esquerda ou com a destituição e prisão ilegal de presidentes legitimamente eleitos.

 

 

No Brasil, os ataques antidemocráticos ao Estado de direito e as ações criminosas que incitam as forças armadas contra sociedade civil seguem normalizadas. O formato tosco, próprio dos imbecis, maquia a perversidade de uma gente que mente, exclui e mata. No xadrez da política, estes estão na linha de frente. Na retaguarda, forças perversas e poderosas, que nunca tiveram medo ou vergonha de apoiar a deflagração de golpes.

 

 

Não se pode temer o futuro ou sequer desacreditá-lo. O medo sempre foi ferramenta de contenção social. Mas é preciso ter clareza do que está por vir, para que possamos ter estratégias capazes de derrotar os ataques.

 

 

A consciência de classe e o reconhecimento da legitimidade dos sindicatos de trabalhadores são imprescindíveis para que a democracia seja semeada, cultivada e cuidada, como orientou o presidente eleito Lula da Silva, na solenidade de diplomação. Façamos!

 

 

(*) Por Luciana Custódio, professora da rede pública de ensino do Distrito Federal e diretora do Sinpro-DF

 

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *