Publicidade

82 agressões oculares registradas na Colômbia durante o desemprego

  • em



A repressão exercida pelo Esquadrão Móvel Anti-Motim (Esmad) nos protestos é a responsável por esses ataques.

 

A organização que documenta os danos aos olhos causados ​​pela tropa de choque na Colômbia documentou 82 vítimas na greve nacional, mas acredita que o número real delas estaria entre 180 e 200 em todo o país.

 

Cristián Zarate, porta-voz do Movimento de Resistência Contra os Assaltos Oculares do Esquadrão Móvel Antimotim -Esmad- (MOCAO), disse que no âmbito da Greve Nacional, iniciada a 28 de abril, eles puderam contar até 82 vítimas.

 

Ele especificou que em outros cenários de repressão, exercidos pela Esmad, o movimento pode contar até 200 pessoas com lesões oculares.

https://www.facebook.com/watch/?v=785943235450776

Zarate explicou ao canal Noticias Uno que um dos objetivos do MOCAO é desmantelar a Esmad para evitar ataques repetidos em que as pessoas se perderam parcialmente ou perderam a visão.

  

O porta-voz do grupo, que perdeu parte da visão do olho esquerdo devido a um atentado daquele órgão de elite da Polícia Nacional, explicou que o movimento tem objetivos, fundamentos e toda uma organização para promover ações sociais, jurídicas e políticas para cumprir seus objetivos.

 

Explicou que o objetivo é desmantelar a Esmad, fazer um processo de indenização às vítimas que este ato sistemático do Estado saiu para não deixá-las desamparadas e não se repetem.

 

Durante os protestos no marco da Greve Nacional, foi documentado o uso indiscriminado e desproporcional de armas letais e menos letais por parte da polícia colombiana, em particular da Esmad, causando ferimentos graves e a morte de dezenas de pessoas.

 

A maioria das vítimas de ataques oculares (60%) foi registrada em Bogotá, mas também nos departamentos de Valle del Cauca, Cundinamarca, bem como nas cidades de Pasto e Popayán, segundo a ONG Temblores.

 

No início de junho, organizações como Indepaz e Temblores indicaram que 47 pessoas na Colômbia feriram os olhos durante as marchas de greve nacional.

 

Juliana Bustamante, diretora do Programa de Ação pela Igualdade e Inclusão (PAIIS) da Universidade de Los Andes, disse no dia 8 de junho que há “65 casos de lesões oculares, o que indica que a frequência e semelhança na prática é uma ação que não é acidental, mas deliberado que também tem como objetivo punir e dissuadir o direito de protesto ”.

 

No dia 15 de junho, os membros da Comissão Nacional de Desemprego anunciaram a interrupção temporária das mobilizações que vinham ocorrendo nas quartas-feiras na Colômbia quando o país acrescentou 49 dias de greve nacional.

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *