Publicidade

68Luta21

  • em



        

 

 

 

                                                                                                   Para Ricardo Azevedo e Vera Soares
                                                                                                   que atam os nós entre uma e outra
                                                                                                   geração de lutadores.  

 

 

 

A geração incendiada

pelo impulso de refundar o mundo

sopra sob as cinzas,

a brasa oculta da indignação.

 

Contra a ferocidade que nos cerca

e sufoca

opomos

                                                            “A imaginação no Poder!”,

 

esse sonho que só nos abandona

quando dormimos.

 

Ouço na noite

e reconheço

o rumor do sangue,

pulsando nas veias

e na memória

como o rio subterrâneo

que nos percorre

o continente do corpo

movido por uma vontade

irrevogável de vida

e de liberdade

e se oferece à sede

da geração que descobre

o espaço aberto das ruas.

 

Difusa, pela criminosa sombra

da morte em massa

que nos sitia,

percebo, sob a luz insistente

da madrugada que se anuncia

a mão amável pousada

sobre a mão que a sucede,

ainda insegura do traço

que deseja esboçar

e conduz a incerta caligrafia,

palavra a palavra, gesto a gesto.

 

Recolho a mão e cedo o passo.

 

E testemunho a mão diminuta,

sem perceber ainda a força infinita

que a move

abrir-se trêmula como um pássaro

que arrisca, pela primeira vez,

alçar seu próprio voo.

 

A liberdade pede passagem!

“Todo poder à Imaginação!”

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *