Publicidade

Lula e várias lideranças mundo afora lamentam morte de Jiang Zemin

  • em



Governo da República Popular da China recebeu mensagem de condolências pelo falecimento do ex-presidente do país do presidente eleito brasileiro e de líderes de vários países

 

 

Líderes de muitos países e organizações internacionais expressaram condolências por telefone, carta e outros meios ao presidente da República Popular da China, Xi Jinping, pelo falecimento do ex-líder chinês Jiang Zemin. Entre eles, o presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva.

 

 

“Sob a liderança de Jiang Zemin a China cresceu extraordinariamente, libertando milhões de pessoas da pobreza. Jiang também foi fundamental na integração da China à comunidade internacional. Jiang foi ainda um dos arquitetos da maior aproximação entre China e Brasil, tendo feito visita de Estado a nosso país, logo no início do seu mandato como Presidente. Foi em sua presidência que se negociou e estabeleceu a Parceria Estratégica Brasil-China, em 1993”, afirmou Lula em nota.

 

 

Também enviaram mensagens de condolências ao governo chinês o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres; e os presidentes de Cuba, Miguel Diaz-Canel Bermúdez; da Nicarágua, Daniel Ortega; da Venezuela, Nicolás Maduro; da Rússia, Vladimir Putin; da República Tcheca,  Milos Zeman; do Laos, Thongloun Sisoulith; de de Singapura, Halimah Yacob; do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev; das Maldivas, Ibrahim Mohamed Solih; do Tadjiquistão, Emomali Rahmon; da Bielorrússia,  Alexander Lukashenko; da Palestina, Mahmoud Abbas; e da Tanzânia, Samia Suluhu Hassan.

 

 

Além dos primeiros ministros do Japão, Fumio Kishida; de Singapura, Lee Hsien Loong; do Paquistão, Shahbaz Sharif; e do Camboja, Samdech Techo Hun Sen; e do sultão de Brunei, Haji Hassanal Bolkiah.

 

 

China tomará medidas para proteger empresas chinesas após proibição dos EUA

 

Reprodução
Reprodução

 

O Ministério do Comércio da China anunciou nesta quinta-feira (1o) medidas para proteger os direitos e interesses legítimos das empresas chinesas depois que os EUA proibiram a venda de novos equipamentos de cinco empresas chinesas.

 

 

A Comissão Federal de Comunicações dos EUA proibiu na sexta-feira (25) a importação e venda de equipamentos de telecomunicações de cinco empresas chinesas, incluindo Huawei e ZTE, alegando que representam um “risco inaceitável” para a segurança nacional dos EUA.

 

A Huawei e a ZTE se opuseram repetidamente às restrições dos EUA e negaram que ameacem a segurança dos EUA.

 

 

O porta-voz do ministério, Shu Jueting, disse em uma coletiva de imprensa que a China se opõe firmemente aos EUA generalizando o conceito de segurança nacional e abusando do poder do Estado para suprimir maliciosamente as empresas chinesas e instou o lado dos EUA a corrigir imediatamente suas práticas erradas.

 

 

A medida não apenas prejudicará os direitos e interesses legítimos das empresas chinesas, mas também afetará os interesses das empresas e consumidores americanos e perturbará a ordem econômica e comercial internacional, o que não é bom para nenhum dos países ou para o mundo em geral, afirmou Shu.

 

 

Premiê chinês dá as boas-vindas a empresas estrangeiras para investir na China

 

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, deu as boas-vindas às empresas estrangeiras para continuarem investindo na China. A declaração do premiê foi feita nesta quinta-feira (1o) ao se reunir com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em Pequim.

 

 

Li pediu aos dois lados que se abram ainda mais e afirmou que a China sempre permanecerá comprometida com a política básica de abertura. O país, garantiu, continuará a promover um ambiente de negócios internacional baseado no mercado e na lei, e a tratar todos os tipos de empresas de forma igual e justa.

 

 

O primeiro-ministro observou que a China abrirá constantemente o setor financeiro e incentivará mais investimentos de investidores institucionais estrangeiros qualificados, mantendo a estabilidade financeira doméstica.

 

 

Ele garantiu que a China se esforçará para manter a estabilidade básica da taxa de câmbio da moeda chinesa, o renminbi (RMB), e mantê-la em um nível razoável e equilibrado.

 

 

“A China está pronta para impulsionar a cooperação com a União Europeia com base no respeito mútuo e na igualdade, e lidar com as diferenças adequadamente para promover o desenvolvimento sólido e estável da parceria estratégica abrangente China-UE”, disse Li, enfatizando que a China espera ver um país unido e próspera UE.

 

 

De sua parte, Michel disse que a UE segue a política de Uma Só China e espera fazer do último encontro de líderes um sucesso. Ele expressou profundas condolências pelo falecimento do ex-presidente Jiang Zemin, pelo qual Li agradeceu.

 

 

Ambos os lados concordaram em proteger o livre comércio e a estabilidade das cadeias de suprimentos internacionais e abordar conjuntamente a mudança climática, a segurança energética e outros desafios globais.

 

 

Eles trocaram opiniões sobre a crise na Ucrânia. Li disse que a China apoia todos os esforços para resolver a crise pacificamente e continuará a desempenhar um papel construtivo.

 

 

Banco Popular da China: inflação do país será moderada em 2023

 

PBOC - Yi Gang, governador do PBOC
PBOC – Yi Gang, governador do PBOC

 

A previsão de inflação da China para o próximo ano está na faixa moderada. A previsão é do chefe do Banco Popular da China (PBOC, na sigla em inglês), o banco central do país, Yi Gang.

 

 

Yi fez a declaração nesta sexta-feira (2) durante um discurso em vídeo em uma conferência realizada conjuntamente pelo Banco da Tailândia (BOT) e pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS).

 

 

“Muitos mercados emergentes e países de baixa renda sofreram pressões de depreciação da moeda local, saídas de capital e inflação ao mesmo tempo”, comentou. Ele observou que os bancos centrais enfrentam um delicado ato de equilíbrio para combater a inflação e manter a economia crescendo no mesmo patamar ao mesmo tempo.

 

 

O índice de preço ao consumidor da China está em torno de 2%agora, em parte graças à colheita de grãos e aos preços estáveis ??da energia, e espera-se que se mantenha na faixa moderada em 2023, pontuou Yi.

 

 

Devido ao impacto da Covid e outros fatores, a taxa de crescimento da China é menor do que o esperado, 3,9% no terceiro trimestre, portanto, as autoridades intensificaram a implementação da política monetária acomodatícia para ajudar na recuperação econômica e maximizar o emprego, informou o dirigente.

 

 

“Olhando para o futuro, as economias avançadas e as economias emergentes devem colaborar melhor nas políticas macroeconômicas”, finalizou Yi.

 

 

Da Revista Fórum com informações da Xinhua e CGTN

 

  • Compartilhe

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *